segunda-feira, 30 de Maio de 2011

HTTP404


Procurei e procurei aqui, na minha cabeça, inspiração para ir até a cozinha e foi isso que encontrei! Acontece, às vezes, eu ficar entediada e não conseguir extrair nem uma gota de inspiração!
Em resposta, o meu cérebro respondeu que estava com imensa vontade de uma saladinha de lentilhas!


"Salada de Lentilhas"*
(* mais uma!)

Junte numa saladeira:

Lentilhas cozidas
Cebola picada
Cebolinho, salsa, tomilho e hortelã frescos, picadinhos
Sal
Pimenta da Jamaica
Tomates cherry pera, cortados ao meio
Sumo de limão
Azeite de oliva

Misture bem e aproveite!

terça-feira, 24 de Maio de 2011

Num dia normal.


Num dia normal, uma refeição simples, sem complicações. Apenas para matar a fome!
Não, se eu estiver entediada! É aí que começa a minha insatisfação com tudo! Por isso, a idéia de grelhar uns bifinhos e cozer uma verdurinha não vinga!
Nos dias de tédio, preciso mudar alguma coisa na ordem do dia, nem que seja para "empratar" o almoço de um modo diferente!


"Enroladinhos de Lombo com Acelga"

Para a acelga:

1 acelga/couve chinesa pequena picada
1 cebola picada
1 cubo de caldo de galinha (pode ser caseiro ou de compra)
salsa
sementes de erva-doce

Numa panela coloque a cebola picada com o cubo de caldo de galinha.
Deixe desmanchar o cubo no líquido da cebola.
Quando estiver desmanchado, junte a acelga picada e deixe refogar até ficar macia.
Junte a salsa e a erva-doce (1 col. de café).
Retire do fogo e leve ao escorredor de massa, para que a acelga fique sem o líquido. Reserve.


Para o lombo:

6 bifes de lombo de porco, cortados bem fininhos
6 fatias de fiambre/presunto, bem finas
3 fatias de queijo flamengo/prato, cortads ao meio
1 cubo de caldo de carne (caseiro ou de compra)
Tabasco
1 dente de alho picadinho
orégano
1 cálice/xíc. café de Moscatel Roxo, ou um vinho licoroso de sua preferência
50g de natas/creme de leite
1 col. (sopa) de manteiga sem sal
1 fio de azeite de oliva

Desmanche o caldo de carne, com um mínimo de água, até formar uma pasta.
Junte umas gotas de Tabasco, o alho picadinho e o orégano.
Com o dedo (ou um pincel) espalhe uma parte dessa mistura num dos lados dos bifinhos e reserve o restante.
Coloque uma fatia de fiambre e meia de queijo sobre cada bifinho e enrole-os, prendendo com um palito de dente.
Numa frigideira, coloque a manteiga e o azeite e grelhe os enroladinhos, até que fiquem dourados. Retire-os da frigideira e reserve-os.
Na frigideira onde grelhou os bifinhos, junte o restante do cubo de caldo de carne desmanchado e o Moscatel, até o molho espessar.
Junte o creme de leite, mexendo sempre e retire do fogo.

Coloque a acelga no prato, sobre ela os enroladinhos e regue com o molho.

quinta-feira, 19 de Maio de 2011

O bom merece ser repetido...


... muitas e muitas vezes!

Preparei esta sobremesa ontem à noite, para que ela estivesse mesmo fresca hoje, quando a servirei num jantar para dois grandes e bons amigos: Sr. Fernando e Mário!


Deixo aqui para vocês a versão sabor pêssego desta delícia que, cerca de um ano atrás, fui encontrar no blog da Cristina!
Única modificação: troquei os biscoitos digestivos por palitos de la reina/biscoito inglês! Ficou ainda mais saborosa e fresca!



domingo, 15 de Maio de 2011

São Marcos


Preparar este bolo, se é que podemos chamá-lo assim, estava nos meus planos há uns bons meses!
Se tem uma coisa que eu adoro fazer é ver vitrines! Vitrines de pastelarias e docerias! Adoro ver as formas, as fusões e o trabalho dos pasteleiros! E sempre que me deparava com os bolos São Marcos me demorava mais: quadrados, ou retângulos, perfeitos com uma cobertura espelhada e uma grande quantidade de semifrio entre as camadas de bolo! Lindos!
Bem, antes de mais tive de fincar bem os dois pés no chão e me conformar com alguns fatos: eu não sou pasteleira, meu forno é muito "precário", não tenho tabuleiros retangulares, e mesmo se tivessem não caberiam no forno. Por isso resolvi fazer um bolo grande, redondo para servir em fatias triangulares!
Tudo resolvido, vamos atrás da receita! Difícil encontrar a receita do São Marcos que vemos nas pastelarias, em português. Encontramos São Marcos de frutas, sempre com um toque especial de quem o preparou. Nada contra isso, pelo contrário! Mas eu queria partir do original para depois poder usar a "minha leitura". Encontrei algumas receitas do original em espanhol, e descobri que a origem do bolo é mesmo a Espanha.
Porém, existe sempre o maravilhoso Gastronomias - Roteiro Gastronomico de Portugal, onde eu encontrei a receita que mais se aproximou dos bolos que vi reluzentes nas vitrines.


"São Marcos"
(adaptado desta receita do Gastronomias - Roteiro Gastronomico de Portugal)

Massa:

4 ovos
100g de açúcar
100g de farinha peneirada

Junte os ovos ao açúcar e bata muito bem, até ficar esbranquiçados.
Junte a farinha peneirada aos ovos e misture muito delicadamente, até incorporar.
Coloque em forma de fundo removível untada e asse em forno pré-aquecido em 180º, por uns 25 a 30 minutos.
Retire do forno e deixe esfriar sobre uma grade. O bolo "encolhe" bastante, não se assuste com isso!
Depois de frio divida-o em dois discos e reserve.

Caramelo:

10 col. (sopa) de açúcar
10 col. (sopa) de água

Colocar o açúcar e a água num refratário e misturar bem.
Levar ao microondas em potência máxima por uns 8 ou 9 minutos, depende o seu microondas.
Barrar um lado dos dois discos de massa com uma parte do caramelo e reservar.
Reserve, também, o caramelo restante para a cobertura.


Recheio:

400g de natas frescas muito frias
1 lata de leite condensado
6 folhas de gelatina incolor ou 12g de gelatina incolor em pó

Dissolva a gelatina como indicado na embalagem e reserve.
Bata as natas frescas em ponto de chantilly e reserve.
Misture muito bem uma parte do leite condensado na gelatina dissolvida e vá juntando às natas montadas, delicadamente com um fouet/vara de arames. Junte o restante do leite condensado e reserve.

Pré-montagem:

Na forma de fundo removível que assou a massa, coloque um dos discos da massa com o lado que barrou com caramelo para cima.
Coloque metade do recheio sobre esse disco de massa.
Coloque o outro disco de massa sobre o recheio, com o barrado de caramelo para baixo. Ou seja, massa+caramelo+recheio+caramelo+massa.
Coloque o restante do recheio sobre o último disco de massa espalhando bem para que o recheio envolva toda a massa lateralmente. Isso fará que, quando desenformar, as laterais do bolo sejam feitas de semifrio. Fica bonito e não precisa se preocupar em barrrar as laterais.
Leve ao frigorífico de um dia para o outro, para que fique bem firme e fresco.


Ovos moles:

Para os ovos moles, usei uma receita muito rápida e simples, muito divulgada pela net que apontei no meu caderno de receitas, mas não apontei de onde a retirei.

2 gemas passadas pela peneira
2 col. (sopa) de açúcar
2 col. (sopa) de água
1 col. (chá) de extrato de baunilha

Colocar todos os ingredientes numa panela e misturar muito bem.
Levar ao fogo baixo, o mais baixo possível, mexendo sempre com um fouet/vara de arames até conseguir a cremosidade desejada. Quanto mais tempo deixar no fogo mais espesso fica. Eu deixei o suficiente para poder barrar o topo do bolo.

Para finalizar:

200g de natas frescas, muito frias, batidas em ponto de chantilly.


Montagem final:

Retire o bolo do frigorífico e desenforme.
Coloque no prato que vai servir. A camada de semifrio que ficou por cima de tudo na forma, agora ficará por baixo de tudo.
Barre o topo do bolo com os ovos moles.
Coloque o chantilly num saco de confeitar e faça uma barreira sobre o bolo. Essa barreira servirá para "represar" o caramelo.
Dê acabamento no pé do bolo com o chantilly.
Com uma colher e muito cuidado, vá colocando o caramelo sobre os ovos moles, muito delicadamente para que não se fundam. O caramelo dará aquele lindo efeito espelhado ao bolo.
Leve ao frigorífico e sirva muito frio.

Adorei preparar o São Marcos!

sábado, 7 de Maio de 2011

Ver e fazer: uma das minhas fobias!


Adoro ver programas de culinária na TV! Aprendo muito, inspiro-me e vejo como as pessoas podem ser versáteis, mundo afora!
No último fim de semana assisti ao Masterchef Austrália e vi os concorrentes neste desafio, preparando um prato que me deixou pensando a semana toda!
Queria muito tentar reproduzir o que vi, esta é uma das minhas fobias! Alguma coisa aqui dentro me impulsiona para isso! Mas era frito... e eu não gosto de fritos! Porém, a fobia foi maior que o desgosto em limpar o fogão!
Não fiz exatamente igual, apenas aproveitei a idéia. E que sucesso fez! O marido já anda a imaginar usar a idéia com outras carnes, aves e peixes!
A diferença entre os que preparei e os originais está na textura da migalha de pão. Deveria ter deixado mais grossa, é o que farei na próxina! E, no lugar do tomilho, que não encontrei em condições, usei orégano seco, o que "roubou" um pouco no visual. Porém, o sabor ficou mesmo ótimo!


"Schnitzel de Porco e Salada de Alface"

3 bifes de porco
sumo de limão
sal
alho
1 pãozinho sem a casca
2 col. (sopa) de queijo ralado
orégano
salsa
farinha de trigo para empanar os bifes
ovo batido para passr os bifes
óleo para fritar


Temperar os bifes com o sumo do limão, sal e alho. Reservar.
Colocar no processador o pão, o queijo ralado, o orégano e a salsa. Pulsar até obter migalhas grossas. Reservar.
Passar os bifes pela farinha de trigo, depois pelos ovos batidos e por último nas migalhas de pão.
Fritar em óleo quente.
Sirva com salada.


Para a salada, preparei um molhinho simples, ao jeito do Jaime!
Coloquei num vidro azeite de oliva, sumo de meio limão, sal, pimenta, ervas de Provence.
Tampei e sacudi muito! Servi sobre a salada de alface e cebolas!

Obs.: Para quem perguntou, um esclarecimento:
Eu já sofri de algumas fobias, quando mais nova, e talvez a mais grava foi a Fobia Social, que já superei, assim como as outras.
As fobias são cada dia mais comuns e, apenas por curiosodade, deixo aqui uma lista de algumas fobias.

domingo, 1 de Maio de 2011

Lavoisier e a Cozinha


Muitas lembranças que tenho da minha infância estão ligadas à escola.
Lembro-me perfeitamente do dia em que fui apresentada à Lavoisier e a sua célebre frase "Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma." Esta frase penetrou no meu cérebro e desde sempre está cá, dentro da minha cabeça.
Bom, Lavoisier era químico. A cozinha é química! A única diferença é que podemos adaptar a frase de Lavoisier e dizer que "na cozinha tudo se cria, tudo se aproveita, tudo se transforma". E, em tempos bicudos como estes que vivemos aqui em Portugal, e pela experiência que carrego do outro lado do Atlântico de tempos bicudos, FMI, governos incompetentes e sociedade inerte, faz muito bem seguir a teoria do químico para comer bem, gastando pouco e aproveitando tudo!
Para aproveitar uns finzinhos de queijos que tinha no frigorífico e preparar um almoço de domingo, resolvi enriquecer a massa com almôndegas recheadas. Fica aqui a sugestão, mais do que uma receita! Postarei aqui os queijos que usei e a maneira que preparei, mas fica ao gosto e a disponibilidade de cada um para aproveitar o que puderem e transformar as sobras em um grande prato!


"Almondegas Recheadas com Queijos"

Eu usei:

1 pedacinho de bacon
1 pedacinho de queijo curado de cabra
1 pedacinho de queijo feta
1 queijinho fresco
3 fatias de queijo flamengo
salsa
orégano
3 gotinhas de Tabasco

Coloquei tudo no processador/robot de cozinha até formar uma massa uniforme. Enrolei bolinhas na mão e reservei no frigorífico.

Preparei a massa das almôndegas como fiz neste post. Depois cobri as bolinhas de queijo com a massa das almôndegas, cozi no microondas e juntei ao molho de tomates.

Servi sobre massa cozida.


Uma idéia simples e rápida para aproveitamento de sobras.

À partir desta semana colocarei em prática uma nova escala de horários, sobrando tempo para eu poder retornar à minha cozinha. Já tenho algumas pesquisas em curso para o preparo de receitas que me deixam curiosa, mas também para receitas econômicas, pois os tempos assim pedem!